sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

sobre amor

O amor é sempre um mistério. É único, singular.
Razões , tais como as entendemos, não explicam e nada dizem sobre o porquê amamos uma pessoa. Ao mesmo tempo, paradoxalmente, tratando-se de amor adulto e saudável, não é absolutamente gratuito e abnegado, do tipo incondicional, que se sente pelos pais e filhos.
Em uma relação amorosa existe um caldeirão em que se misturam diversos ingredientes e a reciprocidade é a colher que permite a burilação de todos eles. Sem ela, tudo desanda, queima, perde o sabor.
Entre tantas pessoas, dois olhares se cruzam e algo acontece. Pode ser apenas um momento efemero.
Pode ser o início de um encontro, de um namoro, de uma paixão.
E /ou de um grande amor.
Ou de um desencontro, de um engano, de uma decepção. De uma ilusão criada pela sua desesperada ânsia em vestir no sapo as vestes de um príncipe.
Como saber? Serenamente... vivendo, conhecendo, percebendo.
Desbravando esse universo desconhecido em que se constitui o outro e esse novo par do qual voce faz parte. Porque não basta estar atento ao parceiro, mas também a voce, ao que ele te desperta ou não.
Como sabiamente disse Guimarães Rosa: "o real se dispõe é no meio da travessia"
Respeite o tempo. Saboreie a travessia.

4 comentários:

Anônimo disse...

Entendi...

Anônimo disse...

anônimo sou eu a Nina
Bj

Anônimo disse...

Ah... adorei a foto q escolheu...
Nina

Priscila disse...

Este sapo não me é estranho... bjks

"Coração mistura amores. Tudo cabe."