quinta-feira, 19 de novembro de 2009

querido divã

Estamos juntas a 7 anos. Uma parceria enriquecedora, dessas que não tem preço.

Minha analista e eu. Deitada naquele divã reconstruí meu mundo interno, coloquei ordem no caos dos meus quadros mentais.

Cheguei até ela despedaçada, repartida em tantos cacos que não fazia a menor idéia de como poderia ser novamente, se é que algum dia fui, inteira.

Fragilidade, medo e insegurança eram naquele instante donos de mim.

E no decorrer destes anos, entre idas e vindas, entre subir 3 degraus e descer 2, fomos tecendo juntas uma colcha de retalhos que surpreendentemente, pra mim, tornou-se muito mais bonita do que era antes.

Neste alinhavar, além da delicada competência da costureira, seus dedos teciam com amor. Esse amor, que senti sempre de forma tão palpável, tão real , me segurou e sustentou quando tudo o mais era abismo e solidão.

Pacientemente. Docemente. Firmemente.

Com ela aprendi a pensar por mim, a acreditar nas minhas percepções, a confiar no meu potencial, a investir no meu ofício, a me espelhar no seu modelo de analista sensível e amorosa. Aprendi a crescer. A existir.

Há muito ainda por fazer, porque nesse processo me apaixono pelo exercício da análise e do quanto ganhamos de vida. Porque a vida vivida assim na intensidade do pensar e do sentir é encantadoramente melhor.

À você minha analista, minha admiração, minha gratidão ... e o meu doce amor.

2 comentários:

Solange Maia disse...

Carla querida,

Que belíssimo reconhecimento por um trabalho que na maioria das vezes fica no território do invisível.
Que sorte a sua ter tido esse encontro e essa oportunidade.

E, paz, é o que desejo nesse caminhar....

Você é uma mulher especial.

beijão

sthephany brunelli disse...

Queria poder ter a mesma relação com o meu analista tbm !! srrs
Mas para mim os degraus só descem !!

belisssima analogia a Sua ...

Meus parabéns !!

"Coração mistura amores. Tudo cabe."